sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Au au não: é cachorro!

Alguns de vocês sabem que nós não falamos tatibitate com a Letícia. Portanto, falamos com ela normalmente, conversamos num tom de voz normal e falamos as coisas corretamente. Afinal, a Lê é um adulto verticalmente reduzido, apenas isso, entende tudo perfeitamente.

Prova disso é que nunca falamos "piu piu", "au au", "mi au" e tantas outras coisas que vemos os pais falando por aí. Sempre falamos o nome correto: passarinho, cachorro, gato. E ela fala corretamente e até fica olhando feio pra quem fala errado com ela. Outro dia uma senhora ficou insistindo em falar au au, mesmo eu explicando que era pra falar corretamente, que a Lê não sabe o que é au au. Aí a Lê virou pra senhora e falou assim: "a vovó não sabe falar cachorro". Huahuahuhauhua, a senhora nunca mais falou nada =P

Abaixo, algumas coisas que nossa pequena sabe falar. Vejam: ela não apenas fala "passarinho" e "cachorro", como sabe algumas espécies de aves e raças de cães. Fala a verdade: ela, nem tem dois anos e já sabe, então, pra que ensinar o jeito errado de falar? Na minha opinião, isso só atrapalha, porque a criança (acho) nem sabe o que estamos falando quando falamos certo (quando falam errado com a Lê, ela olha estranho, não entendo nadica de nada do que estão falando com ela).

video
Letícia falando as aves (ela errou só o "papagaio verde" e o "papagaio azul) - detalhe: eu não sei direito as aves dos desenhos, fui falando o que eu achei que eram, ok?


video
Letícia falando as raças de cães (bom, essas eu sei quais são, mas não é lindinho ver ela falando do jeitinho dela?)

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Aprendendo a usar o banheiro


Faz algumas semanas venho ensinando a Letícia a usar o banheiro. Ela já não fazia mais coco na fralda fazia tempo, pedia pra usar a privada. Aí, pensei: então, vamos tirar de vez e usar só pra dormir.

Claro, foram inúmeros xixis no chão - nunca limpei tanto xixi fora de lugar, nem quando a Suzie estava aprendendo a usar o jornal (já que ela veio sabendo fazer só fora de casa) - mas nunca coco: esse ela pedia pra ir.

Sempre com paciência, claro, limpava o xixi e explicava que ela precisava pedir pra ir no banheiro antes de fazer.

Teve dias que ela adorava fazer xixi nela mesma, pisotear no xixi (e cair bastante também) e lavar o cabelo - a Letícia tá lavando o cabelo, a Letícia tá lavando o rosto. Nessas horas, só tinha que rir mesmo.

O treino pra ir ao banheiro é assim mesmo: demorado, cansativo, temos que ter paciência e não ficar nervosa com a criança porque ela errou. Se ela errou, é porque ainda não entendeu, e não porque é uma criança má (o mesmo se aplica quando ensinamos um cão, sabiam disso? Aliás, muito do que uso pra educar a Letícia, uso pra educar a Suzie também - e tem dado muito certo, diga-se de passagem. Essa é uma das vantagens de se saber lidar com um cão - você acaba sabendo como lidar com uma criança também).

Fazendo esse treino, descobri que minhas meninas têm mais uma coisa em comum: o olhar de quem quer fazer xixi. As duas me olham do mesmo jeitinho, como quem diz: "mãe, me leva pra fazer xixi? Tô meio apertada aqui....". Verdade! A Letícia não pede explicitamente "mamãe, quero fazer xixi", como faz quando quer fazer coco. Ela me pede com o olhar. Então, mãe sempre atenta aos olhares das duas filhas agora. E têm também as mesmas atitudes, me seguem com aquele "olhar de xixi", como tenho brincado ultimamente.

Ontem foi muito engraçado. A Letícia entretida com seus brinquedos, dançando as musiquinhas dela e eu terminando de preparar os pratos de cada uma pra jantar. Aí, de repente, vem ela: "mamãe, a sala tá suja". Eu fui ver e vi umas bolinhas no chão. Coco. Ela esqueceu de me avisar que estava com vontade de fazer mas, mesmo assim, não fez na calça: abaixou as calças, agachou, fez coco beeem no cantinho, longe dos brinquedos. Achei a maior graça, mas não se pode rir na frente dela, né?! Senão, ia ser todo dia coco na sala, porque eu achei muito engraçado. Limpei e joguei na privada, pra ela ver. Depois de uma hora, me pediu pra ir fazer xixi e coco: que bonitinha, fez mesmo, os dois!

Outra vantagem de se ter cão é você ter em casa produtos que tiram o cheiro de xixi e coco. Eu os uso pra limpar os erros da minha filhinha pelada também, lógico!

E vamos seguindo com o treino, entre muitos acertos, alguns erros e muita diversão também. Afinal, nem tudo na vida é só trabalho: precisamos, e devemos, nos divertir em cada momento (e eu venho tentando aprender isso, preciso praticar mais minha diversão...).

Na foto, Letícia ainda com 1 aninho, mas já fazendo coco só no banheiro. E, claro, lendo revistas como a mãe =) Qual revista ela estava lendo? Cães & Cia hehehehehe.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Oi meninas!!!

Faz tempo que não publico nenhuma receitinha aqui, não é mesmo? Bom, seguem duas que eu fiz um dia desses e fez tanto sucesso aqui em casa que a Letícia, sempre que me vê com mandioquinha (toda sexta pego na feira) pede pra eu fazer o nhoque pra ela. Pode? Nem tem 2 aninhos ainda e já fica pedindo pratos de comida hahahaha.

O creme de alho poró eu fiz pra colocar em cima do nhoque. Mas, também pode ser usado pra recheio das panquecas veganas (fica uma delíca!).

Espero que gostem dessas duas receitas fáceis de fazer e gostosas de comer =)

Aguardem mais receitas. Fiz uma sopa numa dessas noites frias... hummmmm... risos.
PS: Não tirei fotos, tá... esqueci.

Creme de alho poró


Ingredientes

2 colheres de manteiga
2 cebolas picadas
4 talos de alho poró picados
4 batatas cozidas em 1 l e ½ de água
Pimenta do reino - a gosto
Sal a gosto
½ l de creme de leite fresco


Preparo

Refogue na manteiga, as cebolas e o alho poró. Adicione as batatas com água. Coloque a pimenta do reino, o sal e o creme de leite. Bata no liquidificador e sirva quente.

Nhoque de mandioquinha


  • 1 kg de mandioquinha ( batata salsa em algumas regiões);
  • 2 e 1/2 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • 3 colheres (sopa) de queijo ralado
  • 1 ovo
  • sal e noz-moscada a gosto

  • Cozinhe as mandioquinhas em uma panela com água até ficarem macias
  • Retire, escorra, descasque ainda mornas e passe-as pelo espremedor
  • Junte ao purê de mandioquinha a farinha de trigo até o ponto de enrolar
  • Acrescente o queijo, o ovo, o sal e a noz-moscada
  • Amasse bem
  • Enrole os nhoques em uma superfície enfarinhada
  • Cozinhe-os aos poucos, em água fervente até subirem à superfície
  • Retire, coloque em um refratário e reserve
  • Piquenique

    Faz tempo que não posto nada aqui, hein?!

    Bom, vou falar que sábado fizemos um piquenique em família: eu, Suzie, Luis e Letícia. Então, os preparativos para ele começaram desde quinta-feira. Claro, porque não daria pra eu passar a sexta todinha na cozinha, sem dar atenção pras minhas duas meninas.

    O dia estava ótimo, passeamos, conheci um casal de amigos virtuais (muito gente boa, Sara e Leo, com sua peluda Meg Meg), comemos bem e passamos momentos bem divertidos, debaixo da sombra de uma árvore e eu vendo alucinada tudo quanto era cachorro passando por perto.

    O que foi servido no piquenique? Vou dividir com vocês =) Duas tortas: uma de milho verde e espinafre e outra de cenoura, brócolis e alho-poró; bolo de laranja; frutas diversas; suco; água; e croquetes caninos pra Suzie (lógico, alguém ainda duvida que eu a deixaria de fora?).

    Então, vamos às receitas =)

    Massa da torta
    - 1 ovo (que pode ser substituído por óleo numa boa)
    - 3 xícaras de farinha de trigo
    - 1 xícara de óleo (quem não usar o ovo, aumentar essa quantidade de óleo, ok?)
    - 1 xícara de água (se precisar de mais, é só colocar aos poucos)
    - sal
    Bata os ingredientes molhados no liquidificar e acrescente aos secos em uma tigela. Use o recheio que quiserem, misturado à massa. Unte uma assadeira e despeje. Deixe no forno cerca de 40 minutos (ou até ficar no ponto).

    Quanto ao recheio: usem a imaginação. Uso muito legumes cozidos; já fiz de mandioquinha, só de espinafre; só de brócolis. Só uma dica: a de milho verde fica meio durinha... não é boa pra bebês meio desdentados, como a Letícia (por isso a torta dela era de cenoura, brócolis e alho poró).

    Bolo de Laranja
    - 4 ovos
    - 2 xícaras de chá de açúcar
    - 3 xícaras de chá de farinha de trigo
    - i colher de chá de fermento em pó
    - casca de uma laranja ralada
    - 1 xícara de chá de suco de laranja
    Bata os ingredientes molhados no liquidificador e misture aos secos (pode deixar a casca da laranja ralada nos secos). Unte e enfarinhe uma forma de bolo, leve ao forno por cerca de 40 minutos (ou até que, ao espetar um palito, este saia sequinho).
    Obs.: Esse é simplesmente o MELHOR bolo do mundo, minha gente... posso fazer qquer outro, mas esse é o mais pedido aqui de casa (mas claro que faço outros, pra variar tb - não quero enjoar desse bolo de jeito NENHUM!!! rs).

    Frutas
    Usei frutas da época bem picadinhas, pra Lê poder comer com a mão: morango, pera, carambola (apelidada de estrela aqui em casa), mexerica, papaia.

    Suco
    Tá bom, apelei pros de caixinha mesmo... não deu tempo de fazer um suco decente que não ficaria com gosto esquisito depois de algum tempo.

    Croquetes da Suzie
    - 2 batatas médias
    - 4 cenouras médias
    - aveia em flocos finos até dar o ponto de formar os croquetes (varia de 200g a 400g)
    - pitadinha de sal
    Cozinhe bem as batatas e as cenouras com o bocadinho de sal. Quando estiverem bem cozidas, passe-as num espremedor de batatas (ainda mornas, é mais fácil). Vá acrescentando a aveia em flocos finos, até dar o ponto de enrolar (quanto mais aveia, mas sem exagero, melhor: fica super crocante). Faça os croquetes (ou dê a forma que quiser). Unte e enfarinhe uma assadeira e leve ao forno até dourar. Sucesso garantido (e a gente também pode comer a vontade: o Luis comeu um de madrugada achando que não era da Suzie hehehehehehe- mas eu tb comi um pra provar, oras).

    Infelizmente, não tenho fotos de nada... a panquequinha aqui, que vos escreve, tirou fotos do piquenique, do parque, da gente, da Suzie, dos amigos, dos outros cachorros... menos da comida. Bom, mas façam aí e vejam o resultado.

    quarta-feira, 5 de agosto de 2009

    Vegetariano é saudável?

    Recentemente um texto que escrevi foi publicado no blog Vida Verde de Uma Família Colorida e eu o coloco aqui também. Deixando claro que, em caso de dúvida, procurem um profissional especializado em vegetarianismo.
    Ah, e claro, vou seguir colocando minhas receitas aqui. Só peço um pouco de paciência porque, como toda materna, minha prioridade é a família =)

    Mas… vegetariano é saudável?

    Depende. Assim como nem todo onívoro é saudável, nem todo vegetariano o é. Quando se tem uma alimentação balanceada, todos podem ser saudáveis. A verdade é que o vegetariano, quando se alimenta corretamente, geralmente é muito mais saudável que os onívoros. Isso porque a alimentação vegetariana é mais rica que a onívora. Quantas vezes não achamos que um almoço composto por arroz, feijão e bife era algo super equilibrado? Se tivesse salada então, nossa, aí era mais que saudável.

    Agora que somos vegetarianos, vemos quanto isso é equivocado. O prato acima não supre tudo o que o organismo precisa. Em casa, temos alimentos variados: cereal (arroz, cevada, macarrão); leguminosas (feijão, ervilha, grão de bico); legumes (abobrinha, vagem, abóbora); raíz (cenoura, batata, mandioquinha); verdura crua e refogada (brocolis, agrião, alface); fruta in natura ou em forma de suco (tomate, laranja, morango); oleaginosas (castanhas e nozes).

    Ainda assim, constantemente ouvimos “nossa, mas o que vocês colocam no lugar da carne? Soja?”. Não. Quase não usamos soja em casa, principalmente o que chamam de “carne de soja”, por ser um alimento extremamente processado. O que mais usamos da soja é o tofu. O melhor “substituto” da carne, por assim dizer, é o próprio feijão e outras leguminosas. São excelente fonte de proteína e ferro.

    Também ouvimos “credo, o que vocês comem então?”. Com certeza uma variedade de alimentos muito maior. Quando começo a dizer as coisas, muitas pessoas sequer conhecem ou sabem como fazer determinado prato.

    Mas sempre ficam as perguntas, os medos. Vamos às principais delas e espero que vocês entendam um pouco mais sobre o que realmente é verdade e mito no mundo vegetariano.

    E a proteína? Não tem falta de proteína?

    Não. As leguminosas, oleaginosas e, para quem come, ovos, leite e derivados são excelentes fontes de proteína. Se realmente houvesse falta de proteína na dieta vegetariana, não existiriam tantos atletas vegetarianos e os maiores animais do planeta não seriam vegetarianos também.

    Mas os vegetarianos são todos anêmicos.

    Não. A incidência de anemia em vegetarianos e onívoros é a mesma, ou seja, acima do recomendado. Mas isso é devido ao erro na alimentação, já que o ferro está presente em ambas as dietas. Na verdade, os vegetarianos que têm uma alimentação balanceada consomem muito mais ferro que os onívoros. Nós em casa temos uma excelente taxa de ferro, melhor que muitos onívoros.

    Nós, vegetarianos, não nos alimentamos do chamado ferro heme, presente na carne, mas sim do não-heme, presente nos vegetais. O primeiro é de mais fácil absorção pelo organismo, mas também vem acompanhado de gorduras saturadas que, no organismo, se transformam em colesterol ruim. Fora que apenas 40% do ferro presente na carne é o heme.

    Então, como fazer para aumentar a absorção de ferro pelo organismo? Simples: comendo alimentos ricos em vitamina C após as refeições ricas em ferro e evitar o famoso cafezinho, leite e derivados após as refeições ricas em ferro. O cafezinho possui polifenóis, que prejudica a absorção de ferro; o cálcio presente no leite e derivados compete com a absorção de ferro, pois estes alimentos não contém ferro. A vitamina C ajuda na absorção de ferro, não o deixando se oxidar, fazendo com que o organismo aproveite muito melhor sua ingestão.

    E o cálcio?

    Vai muito bem, obrigada. Ao ingerirmos alimentos verde-escuros, leguminosas e tofu, obtemos o cálcio necessário para manter ossos e dentes saudáveis. Aliás, os alimentos vegetais ricos em ferro, são também ricos em cálcio. Quando há equilíbrio entre estes dois elementos, um não compete com o outro.

    Para aqueles que consomem leite e derivados, também não há problema em obter o cálcio necessário.

    Ah, vocês não comem carne… mas frango e peixe comem, né?!

    A menos que nasçam em árvores, não, não comemos. Frango e peixe são animais também, portanto, carne. Não comemos nada que um dia teve rosto, pai, mãe e nada que um dia andou, voou, nadou ou rastejou.

    O que acontece é que muitas pessoas se dizem vegetarianas mas comem frango e peixe. Ou seja, não são vegetarianas. Daí a confusão (e como tem confusão… quando se pede comida vegetariana sempre perguntam se pode colocar peixe… ai ai ai).

    Vegetariano só come alface.

    E muitas outras coisas. Todo o reino vegetal faz parte de nossa alimentação, de um modo muito mais variado e nutritivo que na alimentação onívora. No começo do texto dá para se ter uma idéia de como nossa alimentação é rica, colorida (quanto mais colorida, melhor) e muito saborosa.

    Vocês são loucos, crianças não podem deixar de comer carne!!!

    Podem e devem. Tirando a vitamina B12, todos os outros nutrientes presentes na carne são encontrados em abundância no reino vegetal, e sem as gorduras saturadas, hormônios e outras coisas embutidas que comprovadamente só trazem danos à saúde (ou ninguém nunca ouviu falar de crianças já com colesterol, obesidade, excesso de hormônios?).

    Na foto, nossa pequena vegetariana mostrando como é super saudável, normal e muito bem nutrida, obrigada. Não fica nada a dever a outras crianças, pelo contrário!

    Hummm… então, com o que realmente precisa se preocupar no vegetarianismo?

    Não é com ferro, nem ácido fólico, nem proteína. Hoje em dia muitos alimentos são enriquecidos com os dois primeiros porque a população em geral não se alimenta bem. Os vegetarianos têm excelentes níveis de ácido fólico, muito mais elevado que o recomendado e que os onívoros, um nutriente essencial para a gestante (na formação do feto).

    Mas existem sim coisas com as quais devemos ter atenção:

    Ômega 3: não é preciso comer peixe nem tomar óleo de fígado de peixe para obtermos essa gordura de excelente qualidade e essencial para a nossa saúde. O óleo de linhaça é mais rico em ômega 3 que os peixes. E, vem cá: quantos onívoros comem peixe três vezes na semana para suprir a necessidade desse nutriente? Basta uma colher de sopa diária de óleo de linhaça (para crianças e adultos) que tá tudo bem. Simples, hein?!

    Zinco: as oleaginosas são ricas em zinco. E sim, os bebês também podem se beneficiar desse nutriente: mamando no peito da mãe e, com cerca de 9 meses, bem amassadinha nas papinhas doces e/ou salgadas. Uma castanha do pará é bem rica em zinco: supre nossas necessidades diárias.

    Vitamina B12: só é encontrada no reino animal. Até mesmo aqueles que se alimentam de ovos, leite e derivados devem fazer exames para ver como está o nível desta vitamina no sangue. Aqui, apesar de nossos altos níveis de B12, optamos por fazer a suplementação semanal da vitamina. Sai mais barato que comer carne, sem trazer nada de prejudicial embutido.

    Por enquanto é isso. Depois escrevo outros textos sobre o tema, que ainda gera muita polêmica por ser mal compreendido.

    quarta-feira, 1 de julho de 2009

    Preguiçosa?


    Nós somos assim: estamos sempre julgando os outros... infelizmente, é a nossa realidade de seres humanos. Eu mesma tenho muito que melhorar neste aspecto.

    Mas, o que eu acho horroroso é ver pessoas julgando bebês. Quantas e quantas vezes a Letícia não foi chamada de preguiçosa por pessoas na rua, que sequer a conhecem (ou me conhecem), só porque ela demorou a andar. "Ai, menina, como você é preguiçosa, precisa andar logo". E eu respondia que ela ia andar quando ela estivesse pronta para andar. Puxa, falando como se ela nem estivesse ali, como se não ouvisse, se não entendesse... acho que isso acaba com qualquer um, e os bebês são sim sensíveis.

    A Letícia andou com 1 ano e 3 meses. Pra muita gente ela andou tarde; pra gente, ela andou no tempo certo dela. A pediatra sequer se preocupou, disse que estava tudo certinho.

    Hoje mesmo, a mãe de uma amiga minha me parou na rua de manhã e disse "nossa, como a Adriana é preguiçosa, tá com 1 ano e 1 mês e ainda nem andou". Gente, que é isso? Daqui a pouco as crianças vão precisar já nascer andando e falando, né?!

    Quando a Lê sequer engatinhava, também a chamavam de preguiçosa... que é isso!!

    Ela falou aos 8 meses. "Nossa, que menina precoce, esperta". Ué, então por que a chamavam de preguiçosa quando ela não engatinhava e andava?

    Hoje ela se desenvolveu muito bem, obrigada. Não deixa nada a desejar às crianças da mesma idade que ela: corre, anda, pula, escala, cai, dança, fala pelos cotovelos, repete tudo o que ouve, pinta, gosta de ouvir historinha, monta os brinquedos, brinca com a Suzie, brinca de pega-pega, esconde-esconde, ouve música... enfim, é uma criança normal, fazendo as coisas sempre no tempo certo dela.

    terça-feira, 23 de junho de 2009

    Tem louco pra tudo neste mundo...

    Esses dias fiquei tão irritada... cheguei em casa transtornada, tremendo... e olha que eu dificilmente fico assim. Até fiz um chá de cidreira pra me acalmar pra cuidar direito das meninas, viu...

    Tava passeando com as duas de manhã, como sempre faço (manhã, almoço e tardinha), com uma amiga minha aqui do prédio. A Lê super bem no sling. Aí, uma senhora começou a gesticular da casa dela, chamando. Ela queria falar comigo. Fui lá ver o que a senhora queria, já que eu não a conhecia. Agora começa o diálogo (ou seria discussão?):

    velha doida - Olha, faz tempo que estou pra te falar isso. Eu e uns taxistas estamos indignados! Não faça isso com a sua filha, ela vai crescer com as pernas abertas!!!
    eu - QUÊ?
    vd - Andar com ela pendurada nesse pano, vai acabar com as pernas dela, é um absurdo!
    eu (ainda calma, pq esse tipo de reação eu sempre ouço - mas tô começando a ficar irritada já) - não, veja bem. O sling é próprio para se carregar bebês e crianças sem causar danos à coluna ou às pernas. Além disso, acalma a criança, pois ela fica pertinho da mãe.
    vd (já praticamente gritando) - é, pode ser próprio, mas não é adequado! Um absurdo! Você devia deixar ela em casa pra sair com o cachorro na rua, que horror! Vc fica muito tempo com ela aí dentro! (detalhe, eu fico cerca de 1h no total do dia, ainda acho pouco, agora até menos, porque ela tem ido andando em alguns passeios) Eu tenho uma sobrinha....
    eu - CHEGA! Eu não tenho com quem deixar minha filha pra sair na rua, ela também precisa passear e aqui ela se sente segura! Ponto final!

    Hoje já estou mais calma, mas no dia eu começava a tremer só de pensar... ela foi tão agressiva que a Letícia assustou, me abraçou, começou a chorar... saí de lá e ainda soltei um palavrão (e eu não sou disso). Não sei se ela ouviu... olha, sinceramente, estou cansada dessa gente... tudo começou depois de sair aquela reportagem na Veja... que coisa!

    Minha amiga ficou indignada, disse que onde já se viu, nem conhece a pessoa e vai falando assim, se intrometendo! Depois, comentei com o Luis à noite. E ele falou que, se eu começasse a ter muito problema, pra falar com ele, que ele vai falar com a pessoa.

    Ela não é a primeira pessoa que fala isso, mas foi a mais agressiva, chegando ao ponto de fazer a Letícia chorar de medo. Tem um senhor que fala que vou acabar com a minha coluna e eu já desisti de explicar que não sobrecarrega a coluna. Enfim...

    Não aguento mais... acho que vou começar a sair com fone de ouvido na rua, fingindo estar ouvindo música... porque meu ouvido não é penico não... e eu não pedi opinião de ninguém. Ou então, como diria uma amiga, falar assim: "Você tem algum embasamento científico pra dizer isso?". Ou ser um tiquinho menos paciente: "Eu perguntei alguma coisa? Pedi sua opinião? Então vá cuidar da sua vida que da minha cuido eu, muito obrigada".

    Detalhe engraçado: até hoje, quando passo na frente da casa da dita cuja, a Letícia começa a gritar na rua "velha doida" e eu caio na gargalhada... hehehehehe

    PS: Na foto, ela tá com cara de incomodada? risos

    quarta-feira, 3 de junho de 2009

    Receita: Panqueca de lentilha e tahine (vegana)


    Essa receita é muito fácil de fazer e aqui em casa todos gostam =)

    Ingredientes da massa:
    - 1 xícara e meia de farinha de trigo
    - 2 colheres (sopa) de óleo de canola
    - 1 xícara e meia de água
    - 1 colher (café) de sal marinho
    - 1 colher (chá) de fermento em pó químico
    - 1 pitada de açafrão (opcional), pra dar essa cor amarelada na panqueca (vejam que uma delas é branca, fiz uma massa sem açafrão porque tem gente não curte muito temperos fora sal, e também não era de lentilha, mas de queijo)


    Ingredientes do recheio:
    - 1 dente de alho picado
    - 2 colheres (sopa) de azeite
    - suco de 1 limão
    - 1 xícara (chá) de lentilha
    - 4 colheres (sopa) de tahine
    - sal e temperos à gosto (usei gengibre em pó, salsinha, cebolinha e coentro em pó)

    Modo de preparo da massa:
    Bata todos os ingredientes no liquidificador. Aqueça uma frigideira e unte levemente com óleo. Encha uma concha de feijão com a massa e despeje na frigideira. Frite-a virando com uma espátula para dourar dos dois lados.

    Modo de preparo do recheio:
    Cozinhe a lentilha em água com uma pitada de sal. Deixe dois ou três dedos de água acima da lentilha. Escorra e reserve. Misture em meia xícara de água o tahine, o dente de alho, o suco de limão e os temperos. Acrescente a lentilha e mexa bem.

    Agora, é só montar as panquecas e comê-las =)
    Depois me digam se conseguiram fazer, se gostaram.

    quarta-feira, 29 de abril de 2009

    Receita: Quibe de Berinjela (vegana)

    Segue uma receitinha vegana para alegrar o blog! Esta receita foi testada e aprovadíssima, tanto que farei de novo ainda essa semana! Até hoje a Letícia fica pedindo o quibe (ibe!) pra comer hehehehehe. Mas, se contentou com a torta de abóbora mesmo.

    E vocês, tem alguma receita testada a aprovada (vegana, lacto-vegetariana, ovo-vegetariana ou ovo-lacto-vegetariana) para compartilhar?

    Quibe de Berinjela

    Ingredientes:
    2 xícaras(cha) de trigo para quibe
    4 xícaras(cha) de água morna
    2 beringelas grandes descascadas e cortadas em cubos
    1 xícara(cha) de água
    1 cebola grande picada
    3 colheres(sopa) de hortelã picada
    2 cenouras raladas
    1 colher(sopa) de sal
    1 colher(sopa) de margarina (usei uma marca vegana)
    6 colheres(sopa) de amido de milho

    Como fazer?
    1. Coloque o trigo em uma tigela e cubra com a água morna. Deixe de molho por 1 hora. Passe por uma peneira. escorrendo bem todo o liquido. Reserve.

    2. Unte uma assadeira retangular. Temperatura média.

    3. Em uma panela média, junte a beringela e a água. Cozinhe em fogo médio até que a beringela esteja macia e todo o líquido tenha secado(cerca de 20 minutos).

    4. Bata no liquidificador a beringela e a cebola. Passe para uma tigela e acrescente a hortelã, o trigo escorrido, a cenoura, o sal, a margarina e o amido de milho. Misture bem.

    5. Acomode a massa obtida na assadeira untada e leve ao forno por 30 minutos ou até que esteja firme.

    segunda-feira, 13 de abril de 2009

    Bebê e criança vegetariana?


    Acho engraçado como as pessoas encaram o vegetarianismo como algo prejudicial à saúde, principalmente de gestantes, bebês e crianças.

    Quando engravidei, uma conhecida disse ter visto em um programa de TV que as gestantes devem comer carne sim, mesmo as que são vegetarianas, porque senão os bebês sofrem de anencefalia. Eu simplesmente olhei pra cara da moça, também gestante, e falei "não vou comer carne". "Ah, mas minha amiga também é vegetariana e comeu durante a gestação". "Eu não sou sua amiga. E não fala mais nesse assunto porque isso é uma grande mentira".

    Assim que a Letícia nasceu, a mesma pessoa disse que eu precisava comer carne, pro meu leite ficar mais forte, senão a Letícia ia passar fome. Já fui logo cortando o assunto e arrematei: "e nem venha falar depois das papinhas, porque a Letícia, assim como nós, não vai comer carne. Ponto". Tudo bem, fui vista como a chata do momento, mas não estou nem aí. Eu não consigo entender o motivo de ser tão difícil assim entender que não necessitamos de carne para viver, muito menos para sermos saudáveis.

    Felizmente, não temos muito problema com relação à nossa dieta. Isso porque, além de corrermos atrás de informações sobre nutrição, faço uma variedade grande de comida em casa (um pouco de cada, pra fazer comida todos os dias), sempre tendo cereais, grãos, raízes, leguminosas, legumes, verduras e frutas (ao contrário do arroz, feijão e bife dos onívoros). Tudo bem balanceadinho, pra não faltar nada. Nossos exames indicam que estamos fazendo o certo. Custa mais caro? Não, é mais barato ser vegetariano. Nem usamos muito a famosa PTS, porque ela não traz muitos benefícios quanto à nutrição. Mas tenho em casa, porque às vezes quero fazer algum bolinho, hamburguer ou algo do gênero. Já o tofu, usamos uma vez na semana, que é quando compro na feira. Faz muito sucesso, além de ser uma ótima fonte de proteína.

    Recentemente li em uma revista onde somente se criticava a dieta vegetariana, praticamente dizendo que nós, que optamos por essa dieta e incluímos nela nossos filhos, somos malucos. O triste é que não foram pesquisadas pessoas com experiência nesse tipo de alimentação, entrevistaram qualquer pessoa por aí, que acha tudo ridículo. Agora, uma pergunta: quantas pessoas onívoras conhecemos que tem alguma doença? Geralmente, relacionada ao consumo de carne, não é mesmo?! Ou então, a uma dieta pobre. Quantos onívoros por aí que são anêmicos, tem diabetes, pressão alta... a maioria se alimenta mal e, quando comentamos nossa opção, acham que nós é que nos alimentamos pessimamente. Ai ai ai...

    Uma curiosidade: assim que engravidei, fui avisando pra obstetra que eu não iria comer carne de jeito nenhum, nem a Letícia. Ela só me fez elogios, dizendo que é a melhor dieta a ser seguida, que sendo equilibrada não faltariam nutrientes. Dito e feito: nada de anemia, de deficiência de nada. E olha que ela nem me receitou vitaminas a mais. O mesmo vale pra pediatra da Letícia.

    Só pra terminar: eu tive muito mais leite que a minha conhecida, que come carne pra caramba, e meu leite não secou: amamentei até os dez meses da Letícia porque ela não quis mais saber do meu seio (pra minha frustração). Já o leite dessa conhecida secou quando a filha dela tinha 5 meses. Portanto, meninas, não fiquem impressionadas com os comentários: sigam seus instintos, suas convicções, seu modo de vida! E lembrem-se: nossas melhores armas são nossos conhecimentos (para termos argumentos) e nossa saúde de ferro.

    quarta-feira, 8 de abril de 2009

    Começando


    Este espaço foi criado para que possamos trocar experiências, vivências, receitas, dúvidas, dicas, desabafos, relatos, informações, amizades e tudo o que mais quisermos.

    Somos mães, vegetarianas, acreditamos em um mundo melhor, com mais harmonia, saúde e beleza; pensamos não apenas em nosso bem-estar, mas no de nossos filhos, dos animais, da humanidade, do planeta; vivemos nosso presente, sem nos esquecer do futuro; procuramos viver da forma mais sem crueldade possível, causando menos impacto no planeta; buscamos o respeito por todas as criaturas vivas; sonhamos com um mundo mais humano; lutamos pela harmonização do parto e da criação dos filhos; somos maternas.

    Este é nosso cantinho. Puxe uma cadeira e embarque nessa viagem conosco. Garanto que você curtirá cada momento aqui passado.